BibliotecaEventosNotícias da AgeFlorNotícias do Mercado
14/06/2022
Por AGEFLOR
Compartilhar esta notícia
Secretaria da Agricultura reativa Comitê Gestor do Plano ABC+

Sob coordenação da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), o Comitê Gestor Estadual do Plano ABC+ (Agricultura de Baixa Emissão de Carbono) está retomando suas atividades no Estado. O grupo tem por finalidade analisar e propor ações para garantir a implantação de práticas de manejo, usos sustentáveis dos recursos naturais e tecnologias de produção com vistas à redução da emissão de gases do efeito estufa.

O Comitê Gestor, criado por decreto em 2012, conta com a participação de cerca de 20 órgãos e entidades do Rio Grande do Sul que, neste momento, estão indicando nomes de integrantes para efetivar a reativação dos trabalhos. Está prevista para a primeira quinzena de julho a primeira reunião do grupo. A iniciativa vai ao encontro de agendas dos setores públicos e privados que buscam a redução da emissão de carbono em 1,1 bilhão de toneladas no país até 2030.

O engenheiro florestal do Departamento de Diagnóstico e Pesquisa Agropecuária (DDPA), da Seapdr, Jackson Brilhante, explica que a reativação dos comitês gestores estaduais é um movimento nacional, que vem sendo conduzido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Em maio, o Mapa realizou a 1ª Reunião Nacional do Plano Setorial para Adaptação à Mudança do Clima e Baixa Emissão de Carbono na Agropecuária (ABC+), em Brasília, da qual Brilhante participou representando a Seapdr.

Para o decênio 2020-2030, o ABC+ tem como eixos orientadores o enfrentamento dos impactos adversos da mudança do clima, o aumento da resiliência e a sustentabilidade do setor agropecuário. “Queremos, cada vez mais, que os sistemas de produção agropecuários gaúchos sejam mais sustentáveis e competitivos. Muitos produtores gaúchos já vem há anos adotado estas práticas e nosso papel é continuar estimulando a ampliação do uso dessas tecnologias dentro do Estado”, diz o engenheiro florestal.

Entre as tecnologias que devem ser fomentadas por meio do ABC+ estão práticas para recuperação de pastagens degradadas, sistema de plantio direto de grãos e hortaliças, sistemas de integração lavoura-pecuária-floresta-sistemas agroflorestais, florestas plantadas, bioinsumos, sistemas irrigados, manejo de resíduos da produção animal e terminação intensiva.

Para o secretário da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Domingos Velho Lopes, as atividades agrossilvipastoris se apresentam como parte da solução para o balanço positivo de neutralização dos gases de efeito estufa, uma medida que, inclusive, foi reconhecida na Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (Cop 26), ocorrida na Escócia, no ano passado. Na ocasião, renovou-se a continuidade do grupo de trabalho intitulado Koronivia, com o objetivo de promover os modelos de agricultura sustentável. “Produtores gaúchos já usam com propriedade projetos de agricultura de baixo carbono. Este é o ambiente que temos que trabalhar e, desta forma, mantermos o desenvolvimento sustentável no nosso Estado baseado no tripé do desenvolvimento econômico, evolução social e preservação do meio ambiente”, afirmou Lopes.

Fonte: Seapdr

 
Voltar