BibliotecaEventosNotícias da AgeFlorNotícias do Mercado
05/08/2019
Por AGEFLOR
Compartilhar esta notícia
CNA participa de debate sobre investimentos no setor florestal no Brasil e nos EUA

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) participou nos dias 30 e 31 de julho, em São Paulo, do “II Fórum Brasil-Estados Unidos de Investimentos Inovadores em Florestas”, promovido pelo Ministério das Relações Exteriores (MRE).

O encontro reuniu especialistas dos setores público e privado para identificar soluções e superar barreiras para aumentar os investimentos no setor florestal no Brasil e nos Estados Unidos.

A programação do fórum contou com paineis e debates sobre infraestrutura verde e governos locais, criação de conhecimento e métricas para mensuração do impacto e cases de projetos implementados.

Outro assunto discutido pelos especialistas dos dois países foram os títulos verdes (Green Bonds). A CNA tem trabalhado para aumentar o uso de fontes não tradicionais de financiamento para o agro brasileiro, como esses títulos.

Segundo dados apresentados no Fórum e no relatório da Climate Bonds Initiative (CBI), 60% das emissões de títulos verdes no Brasil ocorreram em 2017. Quase dois terços (64%) da emissão vêm de empresas não financeiras e 38% da emissão total é do setor de uso sustentável da terra, especialmente ativos relacionados a florestas. As empresas do setor florestal e de papel representam a maior parte, com uma participação de 69%.

“O financiamento verde não pode levar em consideração elos isolados do setor florestal. A característica sustentável e a necessidade de financiamento envolvem a implantação, o manejo florestal, a colheita, a produção industrial indo até a geração de energias renováveis”, afirmou a assessora técnica do Núcleo Econômico da CNA, Gabriela Coser, que participou do Fórum.

No Brasil, fatores como a atratividade financeira, seguida pela possibilidade de diversificação da base de investidores, ganhos de reputação e maior transparência em relação aos recursos e elegibilidade dos projetos foram mencionados como razões para interesse nesse mercado.

Segundo documento de trabalho do Fórum, um dos desafios significativos para integrar e ampliar o financiamento é a falta de métricas padronizadas e estabelecidas para investimentos relacionados a florestas. Métricas são usadas para prever e quantificar os retornos financeiros e ambientais esperados dos resultados, bem como os riscos associados a qualquer investimento.

“Em alguns casos, o benefício fornecido pelas florestas tem sido difícil de quantificar ou não é bem compreendido. Isso requer novas ferramentas ou dados para quantificar efetivamente o serviço fornecido. O valor econômico de alguns serviços fornecidos pelas florestas também pode exigir o desenvolvimento de novas abordagens de modelagem econômica ou a padronização das abordagens existentes”, informa o documento.

Segundo o coordenador de Produção Agrícola da CNA, Maciel Silva, as diferenças vindas das características regionais, gêneros florestais e destinação devem ser consideradas na elaboração de projetos para investimento. “Para isso, a definição dos critérios e a mensuração das necessidades de financiamento devem levar em consideração essas características”.

Produtores rurais que queiram aprimorar seu conhecimento sobre o tema podem acessar o Guia dos Títulos do Agronegócio, elaborado pela CNA, em parceria com a Ecoagro Securitizadora e os escritórios de advocacia Vaz, Buranello, Shingaki e Oioli e Pinheiro Neto.

Na publicação estão informações sobre quais são os títulos do agronegócio e informações como emitentes, garantias possíveis, aplicação, recuperação de crédito, prazos e direitos creditórios.

O que são green bonds (títulos verdes)?

São títulos de dívida emitidos por entidades financeiras, não-financeiras ou públicas, onde os recursos são usados para financiar projetos e ativos 100% verdes. O “verde” é um rótulo ou uma certificação para o título que está sendo financiado, e não para o emissor do título.

Não há restrição quanto ao tipo de valor mobiliário que pode ser emitido como um green bond. Em geral, no Brasil, são emitidos Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA), certificados como título verde pela CBI. O que define o green bond é essencialmente a destinação dos recursos captados para projetos que tenham “responsabilidade ambiental”.

Quem são os investidores em green bonds?

Grupos com atividades de investimento relacionadas à responsabilidade ambiental, social e de governança. Observa-se um crescente interesse dos investidores mais conservadores nesse mercado, como grandes fundos de pensão e gestores de ativos, que estão buscando sustentabilidade e investimentos relacionados à baixa emissão de carbono.

Com frequência, os títulos verdes se encaixam exatamente no que estão procurando, ao aumentar a quantidade de investimentos de baixo carbono em sua carteira como parte da mitigação de risco de longo prazo, relacionada a mudanças climáticas.

Confira o relatório “Títulos de dívida e mudanças climáticas – Análise de mercado 2017”, produzido pela Climate Bonds Initiative (CBI).

Fonte: CNA
Foto: Tony Oliveira

 
Voltar