BibliotecaEventosNotícias da AgeFlorNotícias do Mercado
30/03/2021
Por AGEFLOR
Compartilhar esta notícia
Artigo: Meio ambiente e desenvolvimento de mãos dadas

Por Luiz Henrique Viana, secretário estadual de Meio Ambiente e Infraestrutura

O meio ambiente é a nossa casa comum. Talvez esta feliz expressão do papa Francisco na primeira encíclica que escreveu integralmente em seu pontificado, a Laudato Si, seja a mais precisa para expressar o respeito e o cuidado que devemos ter com o espaço em que coabitamos. Afinal, desta relação nem sempre harmônica entre o homem e a natureza depende, em última análise, nossa própria sobrevivência. 

Mas sobreviver, permanecer, é apenas o primeiro passo, o passo primordial. Importa ir além. Importa gerar condições para uma vida com dignidade. E não se chega a esta vida digna sem desenvolvimento socioeconômico. Neste sentido, o lema da Secretaria de Meio Ambiente e Infraestrutura (Sema), que com muita honra assumi depois de convite pessoal do governador Eduardo Leite, é mais do que oportuno: Desenvolver para proteger. Sem desenvolvimento – sustentável, claro –, não há possibilidade de bem proteger o meio ambiente, muito menos o homem, parte fundamental e atuante neste meio ambiente. 

Sim, porque a pobreza é um desequilíbrio brutal. Lutar contra ela – com um sistema transparente e técnico de concessão de licenças ambientais, por exemplo, sem a presunção de que todo empreendedor é um criminoso – consiste em um dos principais deveres do Estado. Dever que a Sema, sob minha liderança, continuará a cumprir. A luta pela preservação da vida e contra a pobreza, aliás, sobretudo em tempos de pandemia, é um dever coletivo. Um imperativo.

Os desafios são enormes. Inúmeros processos estão em andamento. Processos que serão fundamentais para o Rio Grande do Sul: da privatização da CEEE, que desde o princípio contou com o meu voto e minha defesa na Assembleia Legislativa, a iniciativas como a valorização das Unidades de Conservação.

Há também o tema crucial da crise climática. Crise que é, antes de tudo, ética. A Sema tem um grupo de estudos sobre as mudanças climáticas e estrutura um programa específico acerca deste tema. Programa que, afirmo publicamente, terá meu apoio incondicional, justamente para que possamos integrar todas as nossas linhas de ação, respaldar a conciliação entre desenvolvimento e proteção e construir a casa comum para os gaúchos.

 
Voltar